Bahia e Vitória se comprometem com o MP a realizar campanha contra discriminação de gênero no futebol

FOTO: REPRODUÇÃO

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) assinou um Termo de Cooperação Técnica com o Bahia e o Vitória, na manhã desta segunda-feira (29). O documento visa garantir ações que fortaleçam o combate à discriminação contra a mulher no estado. 

Segundo o MP-BA, os clubes se comprometeram a realizar campanhas contra a discriminação de gênero no futebol. As primeiras ações devem acontecer no próximo Ba-Vi, que acontece no dia 11 de novembro, às 16h (horário local), no Barradão, pela 34ª rodada do Brasileirão. 

A finalidade da campanha será a de "fortalecer a defesa dos direitos das mulheres, que vêm enfrentando o preconceito e a discriminação fabricada a partir de uma matriz sexista e machista”.

A procuradora-geral de Justiça, Ediene Lousado, destacou a importância dos clubes agirem contra a discriminação. “Sabemos todos da importância dos clubes para os torcedores e torcedoras e do grande número de pessoas que as suas ações alcançam. Às vezes, verificamos uma disseminação da discriminação contra a mulher no futebol e cabe também aos clubes agirem contra isso”, salientou. 

Já a promotora de Justiça Lívia Vaz, coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher e da População LGBT (Gedem), lamentou que o futebol ainda continue sendo um espaço de disseminação do preconceito e de vários tipos de violência. “Embora algumas ações pareçam uma forma de violência pequena, são essas violências que naturalizam outras formas de violência”, alertou. 

A promotora de Justiça Márcia Teixeira, que também é Coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH), destacou a importância dos clubes assumirem o compromisso. Segundo ela, a aliança ajuda na luta para "diminuir o registro do número de violênica no estado". 

 

O vice-presidente do Bahia, Vitor Costa, que representou o Esquadrão de Aço, salientou a importância do clube de futebol. De acordo com o dirigente, a instituição tem acesso fácil à massa e com isso pode ajudar na conscientização. Além disso, ele informou que 35% do público das partidas é formado por mulheres. 

Pelo lado Rubro-Negro, o diretor de Mercado e Comunicação, Anderson Nunes, afirmou que o Vitória estará à disposição para iniciativas nesse sentido. 

Conforme o Termo, apesar do público feminino nas torcidas ser um número significativo, atitudes preconceituosas e discriminatórias ainda persistem no meio futebolístico. Vale lembrar que torcedores utilizam cunhos machistas e desrespeitosos para provocar torcidas e jogadores de futebol.  

Outras notícias

SAÚDE

MPF pede que escolas cobrem carteira de vacinação de alunos

15 de Novembro de 2018

FAMOSOS

Ivete fala pela 1ª vez sobre ‘silêncio’ nas eleições: 'Política fazemos todos os dias'

15 de Novembro de 2018

ESPORTE

Com treino regenerativo, Bahia se reapresenta de olho no Atlético-MG

15 de Novembro de 2018

NOTÍCIAS

Em interrogatório, Lula diz que não pagou por reformas porque não era dono do sítio em Atibaia

14 de Novembro de 2018

NOTÍCIAS

Com confirmação do apoio do PDT, Nelson Leal ganha força na corrida pela presidência da ALBA

14 de Novembro de 2018

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

Fachin envia pedido de liberdade de Lula para 2ª turma 06 de Novembro de 2018

Justiça suspende concurso da Assembleia Legislativa da Bahia 01 de Novembro de 2018

Ivete fala pela 1ª vez sobre ‘silêncio’ nas eleições: 'Política fazemos todos os dias' 15 de Novembro de 2018

Erika Januza é vítima de ataque racista: ‘Macaca e fedida’ 30 de Outubro de 2018