Bahia e Vitória se comprometem com o MP a realizar campanha contra discriminação de gênero no futebol

FOTO: REPRODUÇÃO

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) assinou um Termo de Cooperação Técnica com o Bahia e o Vitória, na manhã desta segunda-feira (29). O documento visa garantir ações que fortaleçam o combate à discriminação contra a mulher no estado. 

Segundo o MP-BA, os clubes se comprometeram a realizar campanhas contra a discriminação de gênero no futebol. As primeiras ações devem acontecer no próximo Ba-Vi, que acontece no dia 11 de novembro, às 16h (horário local), no Barradão, pela 34ª rodada do Brasileirão. 

A finalidade da campanha será a de "fortalecer a defesa dos direitos das mulheres, que vêm enfrentando o preconceito e a discriminação fabricada a partir de uma matriz sexista e machista”.

A procuradora-geral de Justiça, Ediene Lousado, destacou a importância dos clubes agirem contra a discriminação. “Sabemos todos da importância dos clubes para os torcedores e torcedoras e do grande número de pessoas que as suas ações alcançam. Às vezes, verificamos uma disseminação da discriminação contra a mulher no futebol e cabe também aos clubes agirem contra isso”, salientou. 

Já a promotora de Justiça Lívia Vaz, coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher e da População LGBT (Gedem), lamentou que o futebol ainda continue sendo um espaço de disseminação do preconceito e de vários tipos de violência. “Embora algumas ações pareçam uma forma de violência pequena, são essas violências que naturalizam outras formas de violência”, alertou. 

A promotora de Justiça Márcia Teixeira, que também é Coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH), destacou a importância dos clubes assumirem o compromisso. Segundo ela, a aliança ajuda na luta para "diminuir o registro do número de violênica no estado". 

 

O vice-presidente do Bahia, Vitor Costa, que representou o Esquadrão de Aço, salientou a importância do clube de futebol. De acordo com o dirigente, a instituição tem acesso fácil à massa e com isso pode ajudar na conscientização. Além disso, ele informou que 35% do público das partidas é formado por mulheres. 

Pelo lado Rubro-Negro, o diretor de Mercado e Comunicação, Anderson Nunes, afirmou que o Vitória estará à disposição para iniciativas nesse sentido. 

Conforme o Termo, apesar do público feminino nas torcidas ser um número significativo, atitudes preconceituosas e discriminatórias ainda persistem no meio futebolístico. Vale lembrar que torcedores utilizam cunhos machistas e desrespeitosos para provocar torcidas e jogadores de futebol.  

Outras notícias

NOTÍCIAS

Salvador registra mais 1.500 casos novos de HIV em um ano

03 de Dezembro de 2020

NOTÍCIAS

Dia D do Novembro Azul atende cerca de cem homens no 16º Centro de Saúde do Pau Miúdo

25 de Novembro de 2020

Oferta da ultrassonografia da próstata foi o diferencial da estratégia no local

NOTÍCIAS

Joceval Rodrigues defende reeleição de Geraldo Junior à presidência da Câmara

18 de Novembro de 2020

NOTÍCIAS

Cremeb atesta qualidade dos serviços no 16º Centro de Saúde e Gripário do Pau Miúdo

11 de Novembro de 2020

Unidade possui modelo de governança assistencial que tem garantido aos beneficiários SUS um acolhimento humanizado e resoluto

NOTÍCIAS

Muritiba pode se tornar pólo modelo na educação púbica do país

10 de Novembro de 2020

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

Advogado de Lula pede que juiz reconsidere acesso a sistema da Odebrecht 05 de Setembro de 2019

STJ analisa liberdade de Temer na próxima terça-feira 09 de Maio de 2019

Aos 98 anos, morre sambista Riachão 30 de Março de 2020

Preta Gil recebe alta após diagnóstico de coronavírus: ‘Estou curada’ 27 de Março de 2020