EUA, Reino Unido e França lançam ataque contra a Síria em resposta a suposto uso de armas químicas

FOTO: REPRODUÇÃO

Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França anunciaram na noite desta sexta-feira (13) que lançaram um ataque em conjunto contra estabelecimentos de armas químicas na Síria, em resposta ao suposto ataque químico contra a cidade de Duma no dia 7 de abril. O regime sírio nega o uso de armas químicas, que são proibidas por convenções da ONU.

As forças aéreas e marinhas dos três países lançaram os primeiros ataques por volta das 21h de Washington (22h, no horário de Brasília), durante o pronunciamento do presidente americano Donald Trump na Casa Branca. Os sistemas de Defesa da Síria reagiram, atingindo 13 mísseis em Al Kiswah, nos subúrbios de Damasco.

O Pentágono anunciou que três alvos foram atingidos na Síria: um centro de pesquisa e produção de armas químicas e biológicas em Damasco, um armazém de armas químicas em Homs, a leste de Damasco – em que os EUA acreditam que estavam estoques de gás sarin – e uma base na mesma cidade que também teria armas químicas.

EUA

"Ordenei as forças armadas dos Estados Unidos a lançar ataques precisos em alvos associados com instalações de armas químicas do ditador sírio Bashar al-Assad", disse Trump em pronunciamento na Casa Branca.

O presidente disse que o uso de armas químicas na cidade de Duma, no último final de semana, foi uma escalada significativa e que as ações de Assad foram ações "de um monstro".

"Esse massacre [em Duma] foi uma escalada significativa em um padrão de uso de armas químicas por aquele regime terrível", disse o presidente. "O mal e o ataque desprezível deixaram mães e pais, bebês e crianças se debatendo de dor e ofegando por ar. Essas não são as ações de um homem. Elas são crimes de um monstro".

"Esta noite, peço a todos os americanos que façam uma prece por nossos nobres guerreiros e nossos aliados enquanto eles cumprem suas missões. Rezamos para que Deus leve conforto aqueles que estão sofrendo na Síria”, disse Trump.

REINO UNIDO

A ação foi confirmada em seguida pela premiê britânica Theresa May e pelo presidente francês Emmanuel Macron. Em comunicado, May disse que a ação não significa uma intervenção na guerra da Síria. Segundo May, a ação não deve escalar a tensão na região e o Reino Unido fará o possível para evitar a morte de civis.

“Autorizei as forças armadas britânicas para conduzir ataques coordenados para degradar a capacidade de produção armas químicas do regime sírio”, diz Theresa May em comunicado.

FRANÇA

Macron disse que o ataque está "restrito a capacidades do regime sírio de armas químicas". "A linha vermelha estabelecida pela França em 2017 foi cruzada. Então, ordenei às forças armadas francesas que interviessem esta noite, como parte de uma operação internacional em coalizão com os Estados Unidos e o Reino Unido e direcionada contra o arsenal químico clandestino do regime sírio”, afirmou.

 

Outras notícias

SAÚDE

Vacinação contra gripe amplia público a partir de segunda-feira (25)

23 de Junho de 2018

Mesmo com o fim da campanha, as doses continuarão disponíveis nos postos de saúde

ESPORTE

Bahia e Ceará fazem primeiro duelo por vaga na final do Nordestão

21 de Junho de 2018

ESPORTE

Thiago Silva será capitão da Seleção Brasileira contra a Costa Rica

21 de Junho de 2018

ECONOMIA

Petrobras anuncia redução de 1,1% no preço da gasolina nas refinarias

21 de Junho de 2018

MUNDO

Trump volta atrás e assina decreto para acabar com a separação de famílias de imigrantes ilegais

21 de Junho de 2018

Decreto só se aplica a novos casos

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

MP abre inquérito para apurar ação de segurança contra criança em shopping 13 de Junho de 2018

Empresário que chamou Paulo Souto de ‘bom filho da puta’ vai pagar R$ 295 mil em danos morais 07 de Junho de 2018

Ex-brothers Gleici e Wagner marcam data de casamento na roça 07 de Junho de 2018

Alinne Rosa e filho de Saulo são flagrados juntos em Lençóis 02 de Junho de 2018