Meirelles, Marina e Amoêdo defendem decisão rápida sobre registro de Lula

FOTO: REPRODUÇÃO

Os candidatos à Presidência Henrique Meirelles (MDB), Marina Silva (Rede) e João Amoêdo (Novo) defenderam, nesta quinta-feira, 16, que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seja rápido ao decidir sobre a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em segunda instância e preso no âmbito da Operação Lava Jato. Os apelos por agilidade ocorrem um dia após a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, pedir a rejeição da candidatura de Lula.

A candidatura do ex-presidente foi oficializada pelo PT, ao mesmo tempo em que o partido planeja sua substituição na chapa.

O Partido Novo entrou com um pedido de impugnação da candidatura de Lula no TSE, se juntando a outras seis solicitações já protocoladas. “Imagino e torço para que essa decisão seja rápida e a gente possa caminhar rapidamente para ter muito claro qual é o quadro eleitoral definitivo”, disse Amoêdo, após participar de um evento com outros seis presidenciáveis na capital paulista. A decisão do partido em entrar com o pedido, disse o candidato do Novo, serve para “proteger o cidadão brasileiro e as leis”.

Meirelles disse que a definição da Justiça Eleitoral precisa ocorrer “o mais rápido possível” para que a população saiba quem é efetivamente candidato. “Temos que definir, quanto mais rápido, melhor”, reforçou o emedebista, comentando a situação do PT na Justiça Eleitoral. No evento, ele ressaltou mais uma vez seu trabalho nos governos Lula e Michel Temer, afirmando que é importante “trabalhar para o País” sem dar importância a gostar de um ou de outro.

Marina afirmou ser “bom” que a população saiba quem são os candidatos, também cobrando do TSE uma definição sobre Lula. “Se não, nós vamos ter uma eleição em que uma parte estará se expondo e outra parte não estará, ainda que se saiba que não poderá prevalecer a ideia que se passará por cima da lei”, disse Marina, defendendo a tese de que condenados em segunda instância não podem ser candidatos. Ex-ministra de Lula ex-filiada ao PT, Marina afirmou ainda que é “muito cedo” para avaliar a capacidade de transferência de votos do ex-presidente para Fernando Haddad, candidato a vice e possível substituto do petista na eleição. “Ainda é muito cedo e é por isso que é importante ter a definição de quem são os candidatos. A sociedade precisa votar exatamente naquele que está se dispondo a governar.”

Outras notícias

POLÍTICA

Bolsonaro chega nesta segunda à Suíça; Mourão assume a Presidência

21 de Janeiro de 2019

NOTÍCIAS

Último eclipse lunar total até 2021 poderá ser visto no Brasil nesta madrugada

20 de Janeiro de 2019

ECONOMIA

Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

20 de Janeiro de 2019

Confira as dezenas sorteadas: 04 - 28 - 29 - 30 - 43 - 52

ESPORTE

Bahia estreia no Campeonato Baiano contra o Flu de Feira

20 de Janeiro de 2019

POLÍTICA

Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua 1ª viagem internacional

20 de Janeiro de 2019

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

Moro autoriza envio da Força Nacional ao Ceará 04 de Janeiro de 2019

Governador veta extinção do Instituto Pedro Ribeiro de Administração Judiciária 03 de Janeiro de 2019

Marcelo Yuka, fundador do grupo O Rappa, morre aos 53 anos 19 de Janeiro de 2019

Após forte chuva, estrutura de palco desaba e show de Anitta no Ceará é interrompido 14 de Janeiro de 2019