Bolsonaro atacou imprensa 87 vezes no primeiro semestre de 2021, aumento de 74%, diz entidade

FOTO: REPRODUÇÃO

O presidente Jair Bolsonaro atacou a imprensa ao menos 87 vezes no primeiro semestre de 2021, um aumento de 74% em relação ao segundo semestre de 2020, revela levantamento da organização Repórteres Sem Fronteiras, divulgado nesta quarta-feira (28). Bolsonaro foi o campeão de agressões à imprensa entre os agentes públicos monitorados pela entidade.

Ao todo, a RSF registrou 331 ataques contra a imprensa protagonizados por autoridades públicas de alto escalão, aumento de 5,4% em relação aos últimos seis meses do ano passado. Desses, 293 (88%) vieram da família Bolsonaro -além do presidente da República, com 87, figuram no ranking de ataques o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), com 85, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), com 83, e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), com 38.

 

“Tensões entre governos e a imprensa não são novidade. Mas, com o presidente Jair Bolsonaro, vemos um ponto de inflexão, os atritos esporádicos foram substituídos por uma política deliberada de desmoralização e ataques sistemáticos ao jornalismo promovidos por autoridades das mais altas esferas de poder. A normalização desse cenário é um ataque aos princípios básicos da democracia”, diz Emmanuel Colombié, diretor do escritório regional da RSF para a América Latina.

“O levantamento também evidencia a violação de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil em relação à liberdade de expressão. O Estado tem a obrigação de prevenir episódios de violência contra a imprensa, o que inclui adotar um discurso público que não aumente a vulnerabilidade dos jornalistas diante dos riscos aos quais estão confrontados. O governo brasileiro age de forma diametralmente oposta.”

Procurada, a secretaria de comunicação da Presidência não respondeu até a publicação deste texto.

Em abril, pela primeira vez em 20 anos, o Brasil entrou na “zona vermelha” do Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa da Repórteres Sem Fronteiras. O país está classificado, ao lado de Bolívia, Nicarágua, Rússia, Filipinas, Índia e Turquia, como uma nação na qual a situação para o trabalho da imprensa é considerada difícil. O Brasil ocupa a 111ª colocação no ranking, e, em 2 de julho deste ano, a RSF incluiu o presidente Bolsonaro em sua lista global de predadores da liberdade de imprensa.

O levantamento sobre agentes públicos considera ataque o uso de discursos anti-imprensa de maneira geral, sobretudo agressões morais contra jornalistas, veículos e grupos de comunicação. As agressões morais são ameaças, xingamentos, exposição de jornalistas e veículos de comunicação de maneira vexatória. Além disso, também são consideradas publicações nas redes sociais e falas publicas com intuito claro de construir uma retorica de desconfiança e falta de credibilidade do trabalho jornalístico.

São analisadas as contas de Twitter e Facebook do presidente Bolsonaro, suas lives semanais e aparições publicas, como coletivas e entrevistas noticiadas pela mídia e pela assessoria de imprensa da Presidência. Foram monitoradas também falas publicas e publicações em redes sociais do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB); dos três filhos do presidente que ocupam cargos eletivos; e de ministros e ministras de Estado que utilizam as redes sociais como meio institucional de comunicação.

O relatório cita episódios como o evento do dia 27 de janeiro, em que, cercado por apoiadores e falando sobre gastos públicos do governo federal, Bolsonaro recomendou aos jornalistas “enfiar as latas de leite condensado no rabo”. Outro ataque abordado ocorreu no dia 21 de junho, durante viagem do presidente ao Estado de São Paulo. Em entrevista coletiva, Bolsonaro insultou a repórter Laurene Santos, da TV Vanguarda, afiliada da TV Globo. “Cala a boca […] a Globo e imprensa de merda, imprensa podre”, gritou Bolsonaro, ao ser indagado pela repórter sobre o porquê de ter chegado ao local sem usar máscara.

Em 25 de junho, questionado sobre suspeitas de fraude na compra de vacinas contra a Covid-19, atacou a repórter Victoria Abel, da radio CBN: “Volta pra universidade, depois pro ensino médio, depois pro jardim de infância, então você pode renascer!”. Na mesma entrevista coletiva, pediu aos repórteres que parassem de fazer perguntas estupidas.
Daniela Lima, âncora da CNN Brasil, foi a mulher jornalista mais atacada no período, com quatro ataques. Em 2 de junho, o presidente qualificou Lima de quadrupede, causando uma avalanche de ataques misóginos contra a jornalista nas redes sociais.

 

As lives semanais de Bolsonaro foram seu principal veículo de ataques contra a imprensa: 58,62% das agressões ou ofensas contra jornalistas ocorreram durante essas transmissões ao vivo pelo Facebook, também veiculadas pelo YouTube. Outros 21,84% dos ataques ocorreram no Twitter, e 19,54%, durante atos públicos.

Na contabilidade da RSF, entre os veículos de mídia, o Grupo Globo foi o principal alvo, com 76 ataques, seguido do Grupo Folha, com 44 ataques.

Segundo a entidade, essas atitudes violam normas internacionais de direitos humanos, que preveem como papel do Estado condenar agressões contra jornalistas, além de não adotar discursos públicos que exponham jornalistas e outros comunicadores a maior risco de violência ou aumentem sua vulnerabilidade.

“Quando o presidente se refere cotidianamente à imprensa como um inimigo a ser combatido, ele alimenta um ambiente hostil para todos os jornalistas e intoxica o debate público. É uma fala que autoriza e chancela uma postura agressiva do governo e da sociedade em geral frente ao exercício do jornalismo”, diz Colombié.

 

Ranking de agressões à imprensa no primeiro semestre de 2021
Jair Bolsonaro, presidente da República – 87
Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-SP) – 85
Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro (Republicanos) – 83
Flávio Bolsonaro, senador (Patriota-RJ) – 38
Onyx Lorenzoni, ministro da Secretaria-Geral da Presidência – 18
Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos – 7
Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional – 7
Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente – 3
André Mendonça, advogado-geral da União – 1
Milton Ribeiro, ministro da Educação – 1
Hamilton Mourão, vice-presidente (PRTB) – 1

Por, Patrícia Campos Mello/ FolhaPress

Outras notícias

CIDADE

Salvador vacina mais de 80% dos animais em Campanha Antirrábica

18 de Setembro de 2021

SAÚDE

Covid-19: Prefeitura inicia vacinação de adolescentes com 13 anos sem comorbidades em Salvador neste sábado (18)

18 de Setembro de 2021

NOTÍCIAS

Correios fazem leilão de 61 mil objetos

17 de Setembro de 2021

NOTÍCIAS

Caetité, Jacobina e Itagibá se destacam na produção mineral comercializada em agosto

17 de Setembro de 2021

NOTÍCIAS

Multicentro Carlos Gomes oferta exames para detecção de problemas auditivos

17 de Setembro de 2021

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

Advogado de Lula pede que juiz reconsidere acesso a sistema da Odebrecht 05 de Setembro de 2019

STJ analisa liberdade de Temer na próxima terça-feira 09 de Maio de 2019

Leifert abre primeiro domingo sem 'Domingão' sem homenagens, mas cita 'respeito' 20 de Junho de 2021

Em meio à pandemia, Ivete Sangalo planeja festão de Réveillon 10 de Maio de 2021