Infectologista reforça a importância de não escolher imunizante

FOTO: REPRODUÇÃO

Para avançar ainda mais no controle da pandemia de Covid-19, os especialistas em saúde afirmam: vacina boa é vacina no braço. A infectologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Adielma Nizarala, adverte sobre os riscos de escolher a vacina contra a Covid com base no laboratório fabricante e defendeu o imunizante disponível nos postos, seja ele qual for, a fim conter a pandemia o mais rápido possível.

O alerta é resultado da observação do comportamento de pessoas, que optam por escolher a vacina com base nas marcas aprovadas por países cujas fronteiras foram abertas ao turismo internacional, mediante comprovação da imunidade. “Não existe a possibilidade de você escolher uma vacina. É preciso entender que se a gente não frear a doença com qualquer vacina aprovada, ninguém vai viajar para lugar nenhum”, explicou. A especialista lembra que o surgimento de novas variantes pode aumentar o número de casos e de mortalidade, agravando o quadro da pandemia no país.

A vacinação contra a Covid-19 prossegue em Salvador, com a aplicação das vacinas da CoronaVac, Pfizer/BioNTech, AstraZeneca/Oxford e Janssen/Johnson&Johnson. As três primeiras oferecem a imunização completa, após a aplicação da segunda dose, e a Janssen em dose única.

A especialista reforça que é preciso pensar no coletivo, lembrando que todas as vacinas disponíveis estão aprovadas pela Anvisa, são seguras e eficazes. “Eu vou tomar aquela que estiver disponível porque esse é meu papel, eu tenho que ajudar a população e o país a saírem do buraco”, desabafou, se referindo às crises sanitária e econômica que atingem o Brasil. “As pessoas precisam ter noção do quão importante é a atitude de tomar a vacina”, reiterou a médica.

Segunda dose – Adielma também falou sobre a evolução do esquema vacinal, ao lembrar que hoje Salvador já conta com 26% da população imunizada, com duas doses ou dose única. A infectologista reforçou a importância de tomar a segunda dose. Ela citou a falsa impressão que a primeira dose dá, de já estar imunizado, “mas isso só é possível com a Janssen, que tem dose única”, lembrou. As demais foram testadas e aprovadas com o uso da segunda dose de reforço.

“Temos um quantitativo alto de pessoas que deixaram de tomar a segunda dose, creio que pela sensação de já estar já vacinado, ou devido às falsas notícias de que a vacina provoca alguma doença no futuro. O fato é que todas as vacinas são eficientes”, garantiu.

A especialista também salienta que existe uma possibilidade maior de não contrair Covid e reduzir a transmissão viral, quando se completa o esquema vacinal. “Não é só um ato individual, mas da coletividade. Se todo mundo pensar que, tomando as duas doses, vai estar protegendo não só você, mas toda a população e contribuindo para acabar com a pandemia, nós seremos atores principais nisso”, concluiu.

 

Outras notícias

SAÚDE

Mutirão da Idades: Pessoas com 33 anos ou mais são incluídas em vacinação contra a Covid-19 nesta quinta-feira (29) em S

28 de Julho de 2021

SAÚDE

Rússia suspende envio de Sputnik V ao Brasil e governadores negociam novo prazo

28 de Julho de 2021

POLÍTICA

João Henrique vai lançar perfil nas redes sociais

28 de Julho de 2021

NOTÍCIAS

PRONATEC: Pré-matrícula para os cursos segue até 31 de julho, diz Secretaria Estadual da Educação

28 de Julho de 2021

NOTÍCIAS

Bolsonaro atacou imprensa 87 vezes no primeiro semestre de 2021, aumento de 74%, diz entidade

28 de Julho de 2021

Ver mais

Do amor à indecisão 09 de Março de 2018

Advogado de Lula pede que juiz reconsidere acesso a sistema da Odebrecht 05 de Setembro de 2019

STJ analisa liberdade de Temer na próxima terça-feira 09 de Maio de 2019

Leifert abre primeiro domingo sem 'Domingão' sem homenagens, mas cita 'respeito' 20 de Junho de 2021

Em meio à pandemia, Ivete Sangalo planeja festão de Réveillon 10 de Maio de 2021